terça-feira, 21 de dezembro de 2010

O ECLIPSE DAS NUVENS
( O Poder)



As nuvens,
mesmo em lua
cheia, cósmica
e eclíptica, têm
o poder de deixar
escura a noite muito
mais ainda deixando
no céu seu passa
passa com um trânsito
desgovernado, transgredido
inocentemente pelos
olhos de quem vê-las
como um poder, assim
como o amor, assim até
como uma chuva de
medos de observar esse
intenso transitar transgressor
sem sentir medo de amar seu
poder de saber dar às
escuridões da noite
o clamor das luzes.



Hudo Guedes

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

QUALQUER SEMELHANÇA
COM A NECESSIDADE


...queria uma mulher
assim, mesmo triste,
quase solitária, me
esperando em beijos
esquinais, com rosas
às mãos, prontas a
me oferecer, no decote
simples do momento de
fazer aparecer uma última
estrela no céu e formar uma
doçura de nuvens que faça
chover minha presença diante
dela e diante dela eu lhe possa
ofertar minha chegada com a
vertiginosa e labial gôta do meu
corpo que lhe quer seu coração...
quero ah como eu quero uma mulher
com rosas a me esperar, a me querer,
a me gritar o meu nome, e o meu nome
é amor com vontade de amar e se apaixonar
mais ainda pelas coisas boas desse amor
que essa mulher que quero me espera com
rosas a me oferecer esse encanto raro, raríssimo....



Hudo Guedes

domingo, 21 de novembro de 2010

RAQUEL DE QUEIROZ,
PRINCESA IMORTAL DA
LITERATURA BRASILEIRA



Nascida na fronte do Ceará
onde Fortaleza ainda menina
lhe dera uma viagem repentina
ao ir morar no sertão de Quixadá.
Seus pais serenos como uma foz
deitada sobre o rio São Francisco,
já tinham cultura no sangue e na voz
de buscarem felicidades sem medo, sem risco.

Ainda na fazenda
tiveram amargos dias
com uma sêca tremenda
onde parecia tudo está à venda
porque tamanhas eram as sobrarias
de um tempo perdido de colheitas
onde eram assim desfeitas
compras de terras sem melhorias.

Era então 1915, ano muito difícil,
tendo como único ofício
a esperança do povo no campo
quando sem mais sequer um grampo
jogaram papéis de escrituras no suplício
de abandonarem o eterno vício
de verem a luz noturna do pirilampo.

E daí ela se dispõe da iniciante cavalgada
que tinha diante sua carroçal estrada:
a sua grande e narrável e pronta literatura,
arte que aprendera com a formidável lisura
de abraçar não como sonhos soltos de fada
mas com o pé no chão de trabalhar sua cultura.

Sem mais delongas nessa poesia embalante
direi muito mais dessa escritora amante
das mais belas e tocáveis poesias
que em tantos outros inspiráveis dias
direi-vos daqui de minha arte poética cantante
ao som do poder supremo da mente e da voz
que aos ventos este poema o mundo cante
e saude eternamente a princesa Raquel de Queiroz!



Hudo Guedes

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

A VERDADE DO AMOR

...me chamo poesia,
e quando ela me chama
me chama de amor...
e ejaculo minha dor
num suspiro da cama
que ainda se chama
do mais puro amor
a força de quem ama
as coisas puras da flor
de quem sabe que o amor
ainda de alegria me chama
pois foi ontem na cama
que descobri hoje essa cor
do teu corpo que há na flor
do meu desejo que te ama
e do infinito te trará mais amor
com essa cobiça daquela dor
de querer me ver num drama
dessa pêrca de ti que me chama
ainda de reaver aqui teu amor
que tanto se fez desejo e dor
mas agora depois daquilo na cama
que ontem a noite me fez de ti flor
e de mim te fez muito mais amor
eis que a poesia de poeta me chama
e agora não sou mais aquele que reclama
pedindo carinho onde só vinha a dor
me buscar de tanto ficar sozinho na cama
folheando meu livro de palavra e flor
que vem lá de fora de alguma dama
imaginada pelo meu corpo do amor
que ainda pertence ao que me chama
de poesia feliz ao invés daquela dor
de ficar esperando de ti algum ardor
mas com calma e palavras você me gama
muito mais ainda quando você me chama
mesmo sem palavras de meu grande amor.


Hudo Guedes

terça-feira, 2 de novembro de 2010



SIM, TOU SOFRENDO
DE UM GRANDE AMOR


Não fiz por onde que
tenha vindo acontecer
esta grande dor, a dor
do amor perdido que
está acontecendo agora!
apenas lhe pedi o amor
a toda hora e a todo instante,
talvez sufocado necessitando
de carinho e atenção lhe pedi
tanto o que eu em nós necessitava
e acabei lhe sufocando também,
porém os sufocos não foram feitos
pra qualquer um que se atreva a
desafiá-los na insistência de suaves
meios de controlar os desejos e fazê-los
tremerem diante da obediência que devemos
ter perante as coisas boas e sagraddas do amar
e ser amado dispondo assim sempre da regulável
convivência entre sí dentro da amplitude sentimental
e organizacional dos relacionamentos amorosos.
O poeta sofre mas teima em ser feliz com alguém
que talvez não se decifra ainda como parte comum
de um envolvimento a vinte séculos que nos dias
de hoje se torna incomum entre a permanência dos
casais em seus vínculos amorosos onde rugem tabus.
Será que vamos conseguir atingir alguma bôda de
alguma coisa requerida pelos aniversários de amor?
Complexidade, dúvidas, receios, distância um do outro
e outras prevenidas e desprevenidas razões andam conosco...
eu e ela já não somos como estrela e lua! converso com
o sol dos assuntos que os retornos sempre têm com as
reconquistas vitoriosas, mas não tenho êxito virtuoso com as
minhas relutantes palavras de amor que não são nem sequer
abraçadas pela lógica da aceitação ou até mesmo pela
grata intuição vertiginosa de "amar o voltar a amar", pois
há de me entontecer eternamente este amor que se tornara
"invasões de coisas boas" no meu coração como sentinelas
a esperarem dos silêncios zuadas vindas de todas as emoções
vividas por mim e por ela ao longo desses vinte anos de amor
distribuídos na realidade dentro das quatro paredes que estão
entre as quatro paredes onde me vejo triste, amando e sozinho.
Não sei o que será de mim e desse amor fracassado, juro que não
sei o que será da flor que teima em muchar agora e deixar uma luz
inteira de aroma de lar feliz pra tráz, não sei, só que choro esta pêrda!
como é ruim a rejeição meu Deus! como é ruim ficar por ficar! como é
ruim saber que não há mais amor nela senhor! onde foi que pecamos
ou onde foi que eu errei? tanto amor que eu a dei e tanto amor que
tenho ainda a ofertá-la! por que os caminhos quando se desencontram
assim fazem um sofrer mais que o outro e o outro a respirar tranquilamente?
Não sei mais o que é o amor! confesso que não sei mais o que é o amor!
só sei de uma coisa dele, dor! meu caminho tá aqui percorrendo em mim
uma ladeira à baixo, um fundo do poço cheio do meu olhar pra baixo à ver
no refletir de sua água enlôdoada algum brilho dessa esperança ainda de
ficar aqui a esperar pela sorte maior dos acontecimentos figurados apenas
no recompor de palavras familiares que tragam ainda pra sí o nosso amor
que está vagando por aí e refletindo se volta ou não volta a esse doce lar
dos filhos que estão envolvidos e que juntos à Deus são ainda a maior
e melhor forma do grande e lindo reencontro, o reencontro de um grande
amor que se perdeu nas curvas dos ventos por causa do desamar. Mas ainda
tou aqui vivo pra contar essa história das grandes convivências relacionais
entre casais que souberam amarem-se e porventura ainda tão a saberem
que amar é bom demais, basta aceitar as "velhas condições do amor sobre
as lideranças anônimas dos casais" que são amar de verdade, querer o bem
de um ao outro, respeitar um ao outro, confortar, assegurar um ao outro,
nutrir opiniões nutrindo razões em uniões diárias, fazer valer assim a ampla
condição de amar um ao outro como Deus há de amar sempre o amor dos
casais que Lhe juram amor eterno e do amor eterno viverei assim, amando.


Hudo Guedes

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

CÓPULA

Meu amor me pede socorro
ao fazer esse grito!
não grite assim,
vai acordar o dia,
a tarde, a noite,
a madrugada;
vai acordar o mundo
todo! todo o mundo
vai gritar conosco!
quero o silêncio agora!
mover com nossas línguas
os ponteiros devagarinho
pra essa noite não passar
tão depressa como as aves
da nossa aceleração copular.
Quero a ioga do orgasmo
infinitizado na ardência
desse delírio que angelicaliza
as suavidades vestidas
de uma hora pra outra
dos sêmens dos relógios
dos cios perturbados
mais cheios das asas
desses malabaristas
anjos do amor sedutor.
Anjos enfeitiçadores
que trazem em suas asas
todo o desvairamento
do meu corpo sobre
o teu corpo traduzindo assim
os movimentos vitais
do meu eu a procura
do teu eu nesse infinito
da vida de amar-te
e de amarmo-nos.

( Hudo Guedes )
DESSOLIDÃO


Um barco solitário em alto mar
sempre é um perigo de naufrágio...
por isso ele tem que ter a companhia
ultra violeta do sol de alguém.


Hudo Guedes

domingo, 31 de outubro de 2010

A SUPERAÇÃO


A vida é muito engraçada!
a gente oferta um grande amor
pra uma certa pessoa e essa
pessoa não aceita esse grande
amor, achando que ele é um amor
doentio, obsessivo, senhor das prisões
do corpo na alma e vice-versa, infelicidades,
e outras coisas ruins que a vida de um amor
doentio pode oferecer pra essa certa pessoa,
que na verdade não entende de nada do coração
de quem ama de verdade e quer ser amado de verdade.
Que pena acontecer isto na vida das pessoas, que pena!
Não sei mais o que pedir, não sei mais o que falar, pra falar
a verdade tenho medo que aconteça algo de ruim tanto pra
mim quanto pra ela, cuja pessoa não sabe amar mais, ou quem
sabe nunca soube na realidade amar de verdade, querer com
naturalidade essa vontade de beijar, de tá perto, de dar atenção
necessária a quem necessita de tanto carinho e amor como eu
necessito! que pena tudo isto tenha acabado assim, medo de amar
de verdade, de se dar de corpo e alma assim como o amor verdadeiro
se dar pra gente que tanto quer do amor seu grande amor por nós.
Mas vou me superar, sei que vou e vou tentar! ela não merece esse
imenso amor que há dentro de mim pra ela, porque ela não sente o
que estou sentindo agora, que talvez seja angústia, e não alegria,
que talvez seja falta de horizontes e não decisões já de acabar com
tudo isso e ir embora de sua vida pra sempre, e me superar dessa dor
e correr atraz do meu destino que ainda vive e viverá a buscar a felicidade
que à mim a vida sempre dedicou, mas eu não busquei, busquei outro destino,
um destino porventura errôneo na medida do possível, e agora não me resta
mais nada a não ser buscar esse destino, essa felicidade longe desse amor
que fracassou no meio do caminho de tantos anos vividos de um amor louco,
belo, sedutor, construtivo, porém hoje ele está dentro dos acordes insensatos
dos fracassos mas que tem uma lógica em seu interior, o fim, o fim de um amor!
Só me resta ir embora daqui e torcer que eu encontre a felicidade e o amor
que tanto preciso agora e sempre para eu poder ser feliz realmente, e ela, quiz
assim, não ama-me intensamente mais ou talvez nunca soube amar que faça
por onde merecer outro caso de amor em sua vida, mas que der certo, pois à
mim só me resta ir embora pra bem longe daqui e buscar um outro amor de
verdade e capaz de ir até o fim da vida me amando de verdade e com amor.


Hudo Guedes

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

UM POUCO
DO MUITO

Da poesia me fiz
futuro em busca
ainda do rosto
do presente onde
expus a luz dos
meus segredos
que vingaram-se
das revelações do
meu passado te
tratando de meu
único amor.



Abraços do poeta!

sábado, 2 de outubro de 2010

UM AMANHÃ FELIZ



Por hoje não vou cantar
mais canções tristes e
nem dar versos alegres
meus a essas melancolias
que me abateram hoje lá
no açougue dos abandonos
onde tinham bôlhas dágua
nos cascos das duras desatenções
para com minha doçura de ser
que você não suporta, para a
minha poesia que te canta sempre
e que você não a distribue entre
os amigos das tuas falas sem a
devida comunicação de quem
pretende amar-se e amar alguém
como eu que amo o amor de verdade.
Mas você não suporta o meu amor,
por isso vou lhe deixar tranquila agora!
já vou, e só desejando boa noite pras
primaveras que nunca deixaram de me
amar porque em mim mora um jardim
todo florido chamado poesia e vai ser
dela que vou ser cheirado por outros
olhares que me trarão um hoje feliz.


Hudo Guedes

BÔLHAS DÁGUA


...no trabalho sempre me
lembro de ti, e tu?
na rua sempre vejo o teu
olhar vagando e eu o pegando
pra mim, e tu?
não sou perfeito, claro que
não sou, e tu?
mas quero teu desejo, e tu?
afirmações são companhias
agradáveis para interrogações.
Querer te mudar não vai ser
mais uma questão diária que
trago em mim como bôlhas dágua
nos pés de tanto andar pra ver
se realmente ainda ouço de ti,
"meu amorrrrrrrrrrr......"



Hudo Guedes
BÔLHAS DÁGUA


...no trabalho sempre me
lembro de ti, e tu?
na rua sempre vejo o teu
olhar vagando e eu pegando
pra mim, e tu?
não sou perfeito, claro que
não sou, e tu?
mas quero teu desejo, e tu?
afirmações são companhias
agradáveis para interrogações.
Querer te mudar não vai ser
mais uma questão diário que
trago em mim como bôlhas dágua
nos pés de tanto andar pra ver
se realmente ainda ouço de ti,
"meu amorrrrrrrrrrr......"



Hudo Guedes
ABANDONO

A mágoa retrata bem
o dia a dia como força
ainda do desbem querer,
onde pousa veemente e
posta ao fim dos casais
e seus dissabores explícitos
a ausência atônita e quase
gladiadora de um sentimento
que um dia foi visto e iluminado
pelo sol dos prazeres sem dúvidas
e sem as amarguras das plantas
plantadas no verde jardim matrimonial.
Um dia a fidelidade foi crítica e criticada,
eis que o abandono de um amor eterno
se fez cruz erguida pelos olhos da dor.
E os casais não se beijaram mais com
aquele ar de fraternidade nas paixões.
O vínculo foi gritado pelos filhos em
acordo sem definição por suas mentes
despertadas pela ação morna de quem
não sabe mais amar e nem distribuir amor
pelos corais marítimos deste chôro lamúrico
do pássaro que não sabe voar e nunca sobe
voar porque seu võo é uma pedra fincada
entre rosas e espinhos que podem dar a sua
direção exata para definitivos sonhos das
puras liberdades que outros pássaros trarão
de seus võos reais, fortes e altos um alçar viril
que me levará pra bem longe daqui.


Hudo Guedes

sexta-feira, 1 de outubro de 2010


C ANÇÃO


Eu sempre quis
o pouco das
estrelas pra
me perfumar de
lua e depois cair
nos braços de
quem eu quis
muito sob os orvalhos
lunáticos caídos
das bicas em que
as estrelas dormiam
sonhando com esse amor.


Hudo Guedes

terça-feira, 28 de setembro de 2010

NO CORPO
DA ALMA



No grande espaço
entre o pensamento
e a palavra está lá
feito sentinela dos
ventos da inteligência
a alma, ora ignorada
pelo corpo ora abraçada
pelo mesmo como a maior
forma de se dizer, bem vindo
ó história que une homem
e vida no mundo das comunicações.

Hudo Guedes

domingo, 19 de setembro de 2010



PERGUNTAS DE MENINO POETA

Regina?
tu tá aí?
quantos anos tu tem?
tá chuvendo aí?
quantas conchinhas
tu achou hoje na
tua praia?
tu viu alguma estrela
ontem cair?
pediu alguma coisa
aos anjos do céu?
alguém te deixou
ontem o hoje assim?
ele tá tão bonito né?!
tem algum sonho?
teu pai mora aí?
e tua mãe será que
é parecida com a minha?
a minha é a minha cara!
tem todo o meu jeito!
mora no meu espírito
de timidez e tranquilidade!
vive em Quixadá e eu aqui
longe dela! e tu mora perto
de alguma casa de veraneio
que veio buscar na minha praia
areia pro mar dai? será que o mar
daí brinca contigo de navegar
sobre as areias das tuas andanças
na praia a cismar poesias e escrever
depois pra mim? o mar daqui faz isso
comigo, brinca de me olhar e querer
que eu vá lhe banhar! o mar daqui
se chama meu coração cheio de amor
pra dar! e tu tem coração? tem olho
pra ver o amar de mim? acho que o
teu coração tem um olho lindo que
faz parceria com a respiração molecular
de dois arco-íris no céu do sol, um, a estrela
cadente que ontem caiu e tu pegou, o outro
é a lua que virá hoje a noite te iluminar fazendo
reflexos lunares aqui na minha praia que quer
te banhar de algas poéticas vindas dos mergulhos
que o meu coração faz no mar tranquilo de tuas
serenáticas poesias de todos os meus dias.


Hudo Guedes

sábado, 18 de setembro de 2010

A POESIA É
O CORAÇÃO
QUE FAZ
BATER MEU
CORAÇÃO


Nasci poeta!
no berço ainda
escrevi meu
primeiro poema,
poema esse
dedicado à minha
mãe, primeira musa
de minha poesia
que dizia assim:
te agradeço de coração
pequenininho ainda minha
querida senhora do meu
nascer; esse coração que
já pulsa a nove meses já
tem nele nove mil poesias
de amor pra te dar... um
coração já poeta que respira
num pulsar expulsante à vida,
vida esta enviada por Deus,
outro poeta que já conheço e
que já leio e me inspiro de suas
belas e grandiosas poesias... e o
coração de Deus me deu minha mãe
e em suas mãos rego as rosas dos
abraços infinitos que ela me deu
nesse instante ao nascer de seu
ventre querido e me debruçar
em seu peito e ouvir seu coração
plenamente ao som das alegrias
me dando o leite puro da vida...
e assim me fiz poeta ao nascer
do coração da poesia que minha
mãe fez pra vida, eu, simples poeta!



Hudo Guedes

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

PASSAMENTO


Esse ar de tua
beleza respiro
e passo mal,
passo bem,
passo
sempre
bem
no final...


Hudo Guedes

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

PROCURADO:



Tem poetas que são assim,
vivem de seus esconderijos rígidos
mas acháveis, enfim.

Mas tudo em mim
tem uma clareza silenciosa,
ora espinho ora rosa
mas sempre um querubim.

Queria gritar bem alto:
quero o mundo aqui
sem dar nenhum salto!

Mas não posso, me pauto
na idéia de sempre me servir
o alimento nobre do sentir:
o amor, que me fala mais alto!



( Hudo Guedes )

terça-feira, 24 de agosto de 2010

INFINITO LOUCO AMOR

Não esqueço jamais de ti.
O perfume suave de tua lembrança
dorme e amanhece no corpo das manhãs,
das tardes e das noites em que me vejo
toda vez que te vejo aqui.
A alma se compromete com o dever
de seguir adiante em busca do sol
dessa doce lembrança de ti.
Nem que o sol queime as retinas
mas vou em busca de ti no olhar rúbido
e frenético e alucinógeno do sol
dessa doce lembrança de ti.
Espraimo-me sobre as areias das tuas
vertebráveis fotos de onde todas
as claridades da vida fotografaram
os espelhos encantáveis desse teu olhar
que sempre me busca nas auroras
de outroras que hoje imagino ter-te aqui
bem dentro de mim onde tou perto de ti
e de tudo que é amor e flor e cor e licor
pra esparramar sobre os assoalhos do ávido
esquecimento de mim que preciso dessa
solidão de não mais ter-te aqui, mas muito
mais do que apaixonado por ti e querer
que a solidão de não mais te possuir
vá embora de mim e esqueça do meu tempo
que ainda tenho pra te abraçar em mim
todo um amor e toda uma paixão que ainda
creio e que amo puramente vindos de ti.
Todos falam, todos escrevem sobre as coisas
do amor, mas eu não falo e nem escrevo
quando te retrato minha alma em ti, meu corpo
em ti, minha vida em ti, apenas sinto! sinto!
sinto esse sentimento mergulhar, ir bem longe
e me buscar bem longe e me trazer pra ti, e me
devolver pra ti, e me acalentar, me esquentar,
me adentrar no teu eu voraz que me dementa,
que me apresenta teu corpo em tua alma e me
faz adormecer mortalmente, desfalecidamente
como gota que cai do corpo do mundo do suór
em altos graus da doce temperatura da minha
saudade de ti que me faz tremer, que me faz
voltar às loucuras que fizemos juntos com nossos
corpos, com nossas íntimas velocidades lascivas
que jamais deixarão de existir nesta memória amorosa
e apaixonante de ti, de ti que ainda amo por demais
e amo por muito tempo, o muito tempo ainda
desse infinito e louco amor.



( Hudo Guedes )
CARÊNCIA

Manhã acordada
esperando a janela se abrir
e ver que espero de minha solidão
os brados carentes de um corpo
que faz das traquéias dos gritos
do amor
melodias que se dissolvem
nos copos cristalizados
da alma
embebida pelos vulcões impiedosos
das paixões.
Meu corpo nú agora veste-se
das roupas escuras
das solidões
tratadas em mim
como a carência
de escamas de peixes
perdidos no mar
de estrelas cadentes.
Barbárie mental:
ver-me debruçado
sem alguém se quer
pra me tomar
corpo à dentro
e copo cheio do áspero licor
das deusas que me fizeram
arder-se de amor e fugir
de mim como anjo que foge
de um quarto solitário.
Quero me valer dessa solidão
por causa da inspiração
que me vem este poema sem cor,
contudo quero armazenar em mim
tuas vindas silenciosas e bruscas
deixando em minha inapagável carência
o estímulo único de teu verdadeiro
amor.


( Hudo Guedes )
LUZ CORPORAL
DA MINHA MEMÓRIA


Teu olhar ilumina a minha memória
e depois alcansa o meu coração e
me invade e me inala e me consome
e depois sai de mansinho com as
sandálias de ouro dependuradas
às tuas mãos arcanjas que apertam
profundamente meu peito apaixonado.



Hudo Guedes
GRAHUDOS


A mente é uma estrada
onde trafega um automóvel
chamado sentimento
cujo motorista se chama:
o coração.
Trocando em miúdos grahudos:
o coração guia os sentimentos
através da mente.



( Hudo Guedes )
MAIS UM ENTARDECER


Mais um entardecer
que flora a lonjura
de longos rios
brotados na afluência
da saudade de alguém
que deságua no açude
milenar da memória
que gosta tanto desse
alguém que já veio
e tá no meio da claridade
despertada pela ânsia
de uma noturnidade
que já veio e que tá
no início, no meio
e no infinito desse beijo
cegueiro que o sol dá
nos horizontes dessa
doce saudade de alguém
que já veio e que já tá
aqui no meio dessa lembrança
suavizada de saudades.


Hudo Guedes

O SONHO QUE O

AMOR SONHA



Meu pensamento viaja
em busca de um sonho; quero conhecer
a terra em passarinhadas, mostrar o meu amor
pela terra, quem sabe conhecer as estrelas,
quem sabe ler as poesias que o sol escreve
todos os dias pra sua amada lua que tanto
nos inspira todos os dias, e saber que no cósmico
da alma ressoa um vialêjo tocado pela boca
dos meus sonos anunciando meus sonhos..!
e pensar que posso morar na microscopia
dos átomos que habitam no sôpro desses
ares oníricos a minha melíflua vontade
de te beijar, te acariciar o rosto perdido,
que em busca do meu viu uma chama
incendiando uma respiração ofegante
que veio acalentar um corpo solitário
que pede o amor desesperadamente
da alma que sabe cultivar o amor
que tanto sonho de ti.

Hudo Guedes.

MEU VELHO AMOR PROFUNDO PELA PAZ


Mais uma vez o eu manifestativamente
aqui cortêz
com este barco que segue
em frente
chamdo de vida,
comprida como a filha
dos minutos: a hora;
hora de derramar
no amar a demora
de te agarrar
agora, oh paz!
que tanto me safisfaz
com seus atos reluzentes
que trazem os fatos do amor
à tona das mentes
para que a relidade
que sentes
seja igual a do meu coração
perdido
de amor por ti
oh paz do mundo
que difundo
ao te sentir!!


( Hudo Guedes )
MINHA FÉ


Minha fé atravessa oceanos!
sei que o Pai sente-me
quando caio ou levanto-me
de alguma queda espiritual
cujo corpo é uma salvação
que me vem por um momento
único que se multiplica em dia,
em noite, em dia, em noite...
e assim vou levando minha vida
nos momentos de minha fé
a todo momento vivendo em mim.
Deus é todos os meus momentos!
me salva, me ama, me vive!
Deus é todas as minhas salvações
em todos os momentos que vivo
insistindo livremente em viver
de minha doce paz e de minha
útil fé que percorre todos os
momentos do meu dia e da
minha noite percorridos
nos coágulos do meu cérebro
coagulados em meu coração
que fazem de minha vida
a fé construtiva de um ser.
Deus é todos os meus momentos!
Deus é todas minhas salvações!
E hoje me livrei da morte...



( Hudo Guedes )
CARÊNCIA

Manhã acordada
esperando a janela se abrir
e ver que espero de minha solidão
os brados carentes de um corpo
que faz das traquéias dos gritos
do amor
melodias que se dissolvem
nos copos cristalizados
da alma
embebida pelos vulcões impiedosos
das paixões.
Meu corpo nú agora veste-se
das roupas escuras
das solidões
tratadas em mim
como a carência
de escamas de peixes
perdidos no mar
de estrelas cadentes.
Barbárie mental:
ver-me debruçado
sem alguém se quer
pra me tomar
corpo à dentro
e copo cheio do áspero licor
das deusas que me fizeram
arder-se de amor e fugir
de mim como anjo que foge
de um quarto solitário.
Quero me valer dessa solidão
por causa da inspiração
que me vem este poema sem cor,
contudo quero armazenar em mim
tuas vindas silenciosas e bruscas
deixando em minha inapagável carência
o estímulo único de teu verdadeiro
amor.


( Hudo Guedes )
NÃO TE AMO MAIS


Meu pensamento não pertence mais
a este querer que desapareceu
da face da terra do universo
do meu coração que não te ama mais.
Não te amo mais! porque sei também
que não me ama mais! o amor que era
bonito virou tolice! está apagado!
meu corpo está fugido do teu corpo.
Não há mais atração nem desejo.
Nem choro por isso, mas lamento
ter terminado assim, com brigas,
disputas de razões, tolices, um grande
amor que se foi com os ventos absurdos
do fim que sempre nos levam pra outros amores.
Mas cabou, e disso sabemos que sua morte
foi causada pelo esquecimento de nós mesmos.
Os sentidos sentimentais já não são mais nenhum
contato com a imaginação lúcida da paixão.
Não há mais querer e nem tão pouco sobreviver,
morremos mesmo um pro outro e fonto final.





( Hudo Guedes)
NAS MINHAS DIREÇÕES


Vislumbro uma reta...
a direção dos girassóis
tomando banho de pétalas
da mesma direção que vislumbro
teu olhar cobiçado pelos pântanos
das viagens que os sonhos fazem
nas margias suculentas do amor.




( Hudo Guedes )
NEGÓCIO NENHUM COM O AMOR

Quem não sabe amar
não quer amar,
e olhe lá
nem tão pouco
ser amada.
Acha que é pura besteira
amar e ser amada.
Que não é útil
gostar tanto assim
e nem ser lembrada
por mim.
Acha que é melhor assim
não ser amada
por mim
nem no exagero,
nem na conta certa!
acha que assim
tudo entra em desespero
e algo de abuso desperta.
Negócio nenhum
com o amor ela quer,
mas esquece que eu
posso gostar
de outra mulher!
e ainda diz
que posso ser feliz
amando quem
eu quizer.
Negócio nenhum
com o amor
e nem comigo!
será que ela deseja
por acaso que eu seja
seu amante
e seu inimigo?
e vou mais além:
negócio nenhum
nem com o amor,
nem comigo
e nem com ninguém!


( Hudo Guedes )
O PRISMA DE MIM

O prisma volupia
na miopia
do pensamento
do esquecimento
que me vigia
quando à toa
minha mente voa
e jaz aqui
minha poesia
morta de amor
quando descia
de mim uma flor
pra buscar
na volúpia da dor
uma fantasia
que dizia:
faz comigo amor!!!
e eu fiz
mesmo infeliz
a canção da dor:
criatura que inspira
e me atira
nos braços do amor.


( Hudo Guedes )
O AMOR


Pra que se assustar comigo!
se eu sou o amor, sou a paz,
sou as responsabilidades
dos carinhos humanos
para com o mundo!
por que se assustar comigo
se sou a mão que se ergue
para pegar outra mão e seguir
em busca das doutrinas de Deus!
não se assuste comigo não!
te dou a paz e todos os segredos
do bem estar espiritual que determina
pro rosto belo da vida a epiderme
asséptica e naturalmente leve
de toda luz infinita do corpo
revelado aqui no espírito deste poema
inspirado e traduzido pelo amor.
Quero te dizer mais uma vez
que sou alimentado pela honestidade
sempre que te faço uma poesia,
e mesmo que eu não te diga nada
saiba que apenas escrevo quando
eu sinto bater à minha porta mental
palavras despertadas pelo meu coração
onde me dirijo e deixo-me levar
pelas profundas emoções onde as razões
são definitivamente sacramentadas
na eliminação imediata de possíveis ilusões
que me queiram corrigir minha alma
mas minh'alma pertence às forças seguras
do amor que sinto pela vida.


( Hudo Guedes )
O AMOR DAS CANÇÕES


O vício de amar
não aborrece o vício
de sofrer por um amor
que não me compreende,
vendo no rever de detalhes
que preciso ser compreendido,
que preciso ser amado,
por mais que esquisito eu seja,
entretanto ainda há em mim
um grande amor a ser colhido.

O vício desse amar
me faz olhar de dentro
dos sentimentos desse amor
que te procurar é sempre
esperar por mim e deixar
que te aconteça uma vinda
de ti sobre mim para que
se movam atitudes fortes
dos teus sentidos de buscas.

Quero te alimentar de mim,
de uma vez por todas anseio
este alimento da boca dos teus
desejos para que eu ouça
de tuas palavras um eu te amo
mais do que sincero, infinito!
mais do que amoroso, infreável!
e que acima de tudo nossa paz
se conjugue com nosso dia a dia.


( Hudo Guedes )
O BARCO N. 2



Atravessam-se no mares
as serpentes das correntes
dos ventos de todos os lugares.

Atravessam-se nos altares
as dormentes dos querentes
meditando Deus e vos pedindo os olhares.

Atravessam-se nas filosofias
o imperialismo do pensamento
de que é feita a bússola dos dias.

Atravessam-se nas poesias
o algarismo do alumbramento
e a beleza teórica das fantasias.



( Hudo Guedes )
O DOCE E SÃ VÍCIO
DE AMAR AS MANHÃS




O globo solar desse retrato
passa de fato um ápice ocular
que germina na fonte dessa manhã
um horizonte desse afã de sentir
que ainda vai surgir um novo mundo
dos versos dessa luz onde compuz
meu lado profundo de querer voltar
não pra longe, sópra lá, onde mora
um monge que rezou pro amor nunca
mais mais acabar na meditação da alma
que por mais calma que seja sempre
deseja acelerada a sós que venha
uma nova manhã pra mente sã
que vigia todos nós.


( Hudo Guedes )
O EGO INVOLÚPIO

Escorre friamente
sem o desejo da volúpia
estampado na neblina
de seu corpo esquecido
por sí mesmo mas desejado
por mim.
Essa mulher nebulosa
que é de rosa e que exalo
de mim a fome corpórea
de meus olhos ansiados,
de meu corpo esquecido
por ela que não se volupia,
inertiza as onças sensuais
que ainda sonho de seus afãs
preocupados com os tributos
e não com as causas do amor
determinadas pelas paixões
pro homem e a mulher
tratarem em seus rúbidos
cotidianos leituais.

( Hudo Guedes )
O EGO INVOLÚPIO

Escorre friamente
sem o desejo da volúpia
estampado na neblina
de seu corpo esquecido
por sí mesmo mas desejado
por mim.
Essa mulher nebulosa
que é de rosa e que exalo
de mim a fome corpórea
de meus olhos ansiados,
de meu corpo esquecido
por ela que não se volupia,
inertiza as onças sensuais
que ainda sonho de seus afãs
preocupados com os tributos
e não com as causas do amor
determinadas pelas paixões
pro homem e a mulher
tratarem em seus rúbidos
cotidianos leituais.

( Hudo Guedes )
O MAR DO AMOR


Não tenha medo
da noite nem tão
pouco do sol que
entra dentro da
lua e faz uma tocha
iluminar o mar
da noite que trouxe
uma concha contendo
um susto, o peixe
grande e poderoso
do amor.

Não tenha medo
de amar! não sinta
susto ou vergonha
de tanto se dar!
o amor às vezes
sai do mar feito
uma lua grande
ou um sol ardente
e entra terra
à dentro buscando
gente pra namorar,
e prá amar com
a cadência da eternidade
fazendo ele se soltar
buscando nas coisas
a melhor forma
de nos agarrar.
Não tenha medo,
ele vem sempre à noite,
numa escuridão disfaçada,
que não passa de um mar
vigiado por sereias holofoteadas
por sols e por luas.

Não tenha medo não!
ame sem medo!
doe-se sem medo
de amar demais!
ame-se mas ame
alguém!
doe sua alma
no seu corpo
porque sua vida
é feita de amor!
não tenha medo!
não se assuste comigo!
eu vim pra aqui
pra ter-te e vou ter-te!
por mais que meu nascedouro
seja um mar escuro mas há
um sol lá em cima!

Hudo Guedes
OS OUROS


O ouro da sinceridade
reluz nas pérolas do amor
que o mar dos corações humanos
resgata da vida pra oferecer assim
pra todos que queiram de mim
essa paz dos meus anjos soberanos.

O ouro da cumplicidade
reluz sim até na dor
pra despertar na hora dos desenganos
as visões equilibradas de algum fim
que vieram orgasmadas daquele serafim
alçando-se sobre loucos versos puritanos.

O ouro da carinhosidade
reluz na luz de uma flor
que me trouxe da imaginação dos insanos
a intensa sensatez de minha calma carmim
regada pelo desarmamento desse estopim
explodido nas chamas dos amores humanos.




( Hudo Guedes )
ÓSCULO
E SUÓR



Teu olhar
desarma meu olhar
quando na tenda dos anjos
bebo e me embriago
da lembrança lúbrica
que desce do corpo
da minha memória
como um suór reinando
o coração das rosas
desse ato úmido
de amar-te quase
sem o respirar... anjo
que me esvoaça
nas asas do ósculo,
do sonho e de alguma
vírgula intrépida da história
nupcial do amor com a paixão.



( Hudo Guedes )
POUSO DE PASSARINHO





Passarinho pousa *** Passarinho de minha poética
no mel dessa fotografia *** voa em busca dos sonhos
que é fazer poesia *** de tornar real a ave sintética
pra ti que me ousa *** do teu võo sobre a dialética
a voar nessa cousa *** forma silenciosa dos risonhos
chamada real fantasia. *** versos tristes de minha cética.




( Hudo Guedes )

ELOS

Hoje aqui a tarde brilha.

Sol meio suave por causa

da leveza do olhar mágico

do pensamento em se ter

agora uma tarde levemente

árdua e equilibrada pelas

sensações do grande bem estar

da alma que veio da manhã.

E o corpo adormece nela

que tece um fio de vontade

na múltipla ânsia de poder

se vestir do mel das abelhas

elétricas de minha mansidão.

A chuva hoje se foi pra outro

lugar talvez distante daqui.

Choveu muito ontem e me fez

brotar uma flor no alagadiço

dessa ternura quase esquecida

por ti que não me vem abraçar

este colo calado que abriga

meu doce coração da vida.

Deito sobre a luva

do avoar de sonhos

o ego das palavras

que a realidade dos profetas

me transmitiu entre centelhas

agrestianas dos arco-íris

as felicidades que ainda

estão advindas nos teus

sonhos de mulher unicamente

feita para corações poetas.

Por isso que a tarde agora

e nesse instante está bela,

calma e translúcida

nesse fevor borbulhante

que me traz teu hálito feminístico

ao pomar rosáceo das saudades.

( Hudo Guedes )

PARECE QUE É
DA NATUREZA
FEMININA



Parece que é da natureza feminina
amar o agasalho do homem
e não amar propriamente
o corpo masculino que se veste
de agasalho e agasalha o corpo
da mulher que grita por conforto,
que sonha com o estado ameno
da velocidade sexual do homem
que na verdade lhe ama e lhe quer,
lhe deseja todos os dias mas com
devidos freios que há nas rodas
bicicletiantes do coração dele
que gira, gira e corre pro seu amor,
armadilha que insinua desejo
mas que no fundo só quer agasalho.
Esse é o estado profundo do mundo
da alma feminina que sonha com o corpo
freiado do desejo do homem que é intenso
mas ele parece que tem que se haver
da conformação e deixar que esse agasalho
de repente se torne um constante desejo,
o desejo de agasalhar o seu amor somente
e deixar que o sono busque esse sonho feminino.


( Hudo Guedes )

PEQUENA HISTÓRIA DO SIM


Nasci poeta
sou viajante
e minha meta
é ser um amante
das artes de amar
e ser amado antes
que venha o mar
e carregue o teu colar
de brilhantes
que tenho guardado
por eu ser amado
em teu coração de gigantes
como Deus e os anjos infantes
do teu sim no meu sim poetizado.

POEMA DE UM
AMOR GUARDADO



FICAR O POEMA GUARDADO
PELO MENOS DENTRO DO CORAÇÃO.
O AMOR GUARDADO DENTRO
DE SÍ E DENTRO DE TODOS
ÂNGULOS QUE O OLHAR POSSA
MERGULHAR NAS RESPIRAÇÕES
DO TEMPO, DO TEMPO DE AMAR
ESCREVER PALAVRAS DE POESIAS
ANTIGAS QUE SE ESCREVE HOJE
COM OS DOTES DESSE PROSSEGUIR
EM BUSCA DE TI, OH POESIA DE MIM.
GUARDAR, SIMPLESMENTE GUARDAR
A MELHOR COISA DO MUNDO, O AMOR,
DENTRO DE MIM E DENTRO DE TI.
GUARDAR TAMBÉM AQUELE POEMA
QUE EU ESCREVI PRA TI E AQUELE
QUE TU ESQUECERAS DE ME MANDAR
MESMO NÃO ESCREVENDO-O E MESMO
FAZENDO COM QUE O TEMPO NÃO
O ESCREVESSE E NÃO O MANDASSE
PRA MIM ASSIM COMO A TERNURA
DEIXOU TE ENVIAR PRA MIM AQUELE
POEMA QUE O AMOR ESCREVEU
PRA NÓS, NÓS QUE AINDA SOMOS
O AMOR, MESMO ASSIM, AINDA
SOMOS O POEMA QUE O TEMPO
DO LADO INFINITO DE NÓS DOIS
AINDA ESCREVERÁ PRA VIDA.



( Hudo Guedes )
POEMAS EM CARTAS DE AMOR


Já fiz cartas de amor
e as mandei pra amada
dizendo o que sou
com a palavra multiplicada
em poema de dor
mas em poesia cantada
pelo aroma da flor
dessa alegria inspirada
pelo coração que voou
em busca da amada
que nunca mais me deixou.


( Hudo Guedes )
PROCURADO:



Tem poetas que são assim,
vivem de seus esconderijos rígidos
mas acháveis, enfim.

Mas tudo em mim
tem uma clareza silenciosa,
ora espinho ora rosa
mas sempre um querubim.

Queria gritar bem alto:
quero o mundo aqui
sem dar nenhum salto!

Mas não posso, me pauto
na idéia de sempre me servir
o alimento nobre do sentir:
o amor, que me fala mais alto!



( Hudo Guedes )
PROCURADO:



Tem poetas que são assim,
vivem de seus esconderijos rígidos
mas acháveis, enfim.

Mas tudo em mim
tem uma clareza silenciosa,
ora espinho ora rosa
mas sempre um querubim.

Queria gritar bem alto:
quero o mundo aqui
sem dar nenhum salto!

Mas não posso, me pauto
na idéia de sempre me servir
o alimento nobre do sentir:
o amor, que me fala mais alto!



( Hudo Guedes )
QUE LUZ!!



Uma certa vez um poema me disse:
me faz um poema, e eu o fiz um poema de amor,
mas tudo não passou de engano, e eu esqueci
por uns dias que algo de esquisito tinha tomado
de conta de mim: algum sentimento esquisito.
mas dias depois eu vi uma luz me pedindo:
me faz uma luz, e a fiz uma grande luz; um poema.
Desde de então passei a escrever poemas e uma
luz iluminada não saiu mais de mim, a luz das minhas
poesias e de todos os meus sentimentos de poeta.


( Hudo Guedes )
TEMPO DAS PRIMEIRAS POESIAS

Primavera
renasce...canto das distâncias,
mas propago as infâncias,
e quem me dera
falar da minha todos os dias.,
saber de tuas poesias,
rimar tuas brincadeiras
onde escorregadores tu subias
e ladeiras tu descias
porque as flores nasciam
dos girassóis
que feitos nóis
amarravam os olhos que teciam
a vagareza dos caracóis
na prêsa de peixes em anzóis
que no rio límpido desciam
pra alegria de nós.

O beijo da meninice ficou
grudado naquele rosto belo
que eu velei com amor
amando dia e noite a flor
que fez da vida e o poema um elo.

Quero amar sempre as primaveras,
as meninas que eu não tive,
as jias cantarolando quimeras
pra história das pedras que ainda vive
nos livros dos rios fazendo feras
de inspirações mágicas e aquarelas
do amor que sempre o poema me crive
de rosas minha alma sem querelas.


( Hudo Guedes )
TEXTO DA VIDA



Pessoas procuram pessoas!
caminhos de amigos, notícias
que daqui a pouco o trem
vai chegar e na estação estarão
malas e brinquedos de criança,
velhos sábios sentados nos bancos
que dão próximos ao ferro lixado
dos trilhos, e vou buscar alguma rosa
que cheire a saudade de alguém
que já esteve por aqui conversando
comigo e esperando o próximo trem.
E o tempo não me deixa falar algo que
necessito dizer, mas a vida faz com eu
escreva algo que traga em sí um leve
entendimento com os conhecimentos
da própria vida e de chegar o trem e eu
entrar em dos seus vagões e seguir
minha viagem de profundas lições de amor
e juventude em minha velhice que outrora
sonhei feliz e me fiz assim, apaixonado
pela vida.



Hudo Guedes
VONTADE DE POESIA



A POESIA SOLUÇA:
CHORA PALAVRAS
E AINDA SE DEBRUÇA
NO OMBRO DA DOR
DE ALGUMA SAUDADE
QUE TRAGA O AMOR
DE ONDE NUNCA FICOU
AQUI NESTA CIDADE
ILUMINADA DE VONTADE
DE ABRIR AS ASAS DA FLOR
E VOAR PERFUMES DE ARDOR
PRA TE BUSCAR SEM METADE,
INTEIRA COMO A VERDADE
QUE IRÁ TRAZER TEU AMOR
ONDE ME VAI SER ETERNIDADE
ESSA NOSSA IMENSA VONTADE
DE ESQUECER ESSA DOR
DA DISTÂNCIA DO TEU AMOR
QUE JÁ SEM PIEDADE
ME TRAZ MAIS UMA CIDADE
SEM MAIS UMA FLOR
PORQUE O QUE ME RESTOU
FOI A SOLIDÃO DE TUA SAUDADE
QUE TANTO AGORA ME INSPIROU
A FAZER ESSA CARTA DE AMOR
E FUGIR LOGO DESSA CIDADE
PRA TE BUSCAR COM A VONTADE
DE TE DAR MEU LOUCO ARDOR,
PAIXÃO E SENTIMENTO DE VERDADE
QUE A VIDA ASSIM ME FISGOU
SÓ PRA TE DAR CARINHO E AMOR
DIANTE AS COISAS DA ETERNIDADE,
QUE SÃO SONHO E REALIDADE
MISTURADOS AO CHEIRO DE FLOR
QUE EM NÓS ASSIM BUSCOU
O AROMA CHEIROSO DA VONTADE
DE AMAR ETERNAMENTE NOSSO AMOR.



( Hudo Guedes )
PROSAS HUDIANAS


Todos os dias eu faço
as mesmas coisas:
não sou beijado,
não beijo,
desejo
quem esteja
ao meu lado,
e quem esteja
por perto
de certo
também quem
esteja afastado.

Revivo as mesmas
ocasiões:
rasgo as camisas
das solidões,
suas pétalas
desabrocho
depois acocho
seus botões
e vou-me embora
mais uma vez
lá pra fora
aos empurrões
pras solidões
de agora
em que me
vejo
cheio de
desejo
de possuir
quem me
adora.




( Hudo Guedes )
VONTADES DO AMOR


Nem me peça
pra sair de sua
vida porque não
vou sair nunca!
nunca me diga
esse não que
me deságua
o coração na
dor que sinto
de sua saudade
que longe ficou
aqui pra sempre.
Nunca me diga não
porque posso ser
a fonte dos seus
desejos de amor.
Veja que sempre
poderá existir um
sentimento de te
pedir que nunca
saia de mim e nunca
deixe de me amar!
veja isto com todo
os seus sentimentos
e me diga a palavra
inteira das paixões
no silêncio que me
faz te dizer o quanto
eu te amo e o quanto
me faz feliz te amar;
mas é preciso antes
disto ser amado por
ti e ser adorado pelo
teu coração que me
derrama essa vontade
de te acolher em mim,
de te cobrir de beijos
e mostrar pra ti que
as felicidades existem
quando se ama um amor
que protege de verdade
nossa vida e eterniza
nosso olhar puro pro mundo.
Nunca me diga não e nunca
me deixe só o coração!


( Hudo Guedes )
O DISFACE DE UM POEMA TORTO



Minhas palavras
como prostitutas,
requebram-se
e strip-tesam-se
para o tempo,
somente para que ele
sinta desejo de fazer
amor com minhas palavras,
que trazem a paz
no coração de cada letra,
que se sacrifica
pela exercução desse disface,
simplesmente para convencer
ao tempo de que a paz e as
normalidades humanas
são espécies que ainda respiram
no imo de seu mar,
no mar do tempo,
no grande mar do tempo.


( Hudo Guedes )
EU QUERIA


Eu queria que todos
me recebessem como
as rosas recebem os
colibris e fazem a festa
pra toda a natureza.
Eu queria pelo menos
que me abraçassem
e me dessem um beijo
aqui na minha face
sem despedida nenhuma,
e saissem de repente,
mas mais que de repente,
retornassem aos meus
braços de bom amigo.
Eu queria, sabe, uma maneira
de despertar no meu próximo
o mesmo carinho e respeito que
tenho pelo meu próximo, sem
aquele medo dele sentir o mesmo
amor que sinto por ele, ah eu queria.
Mas acho que não posso, não tenho
esse mesmo poder que os colibris têm
sobre a natureza das flores e suas festas.
Será que tenho? sei lá, queria que alguém
me desse essa garantia, essa força do
pensamento de saber que alguém tem
por mim aquela afeição que tanto necessito.
Eu tenho esse afeto, tenho sim, mas preciso
que alguém tenha por mim, assim como os
pássaros têm pelos ventos, o céu tem pela
cor azul, o beijo tem pelo sabor, a música tem
pelo coração e pelo ouvido da gente e pela
vida que tanto nos quer.

Hudo Guedes
FLOR E FRUTA


Uvas, rosas,
mangas, maçãs,
a pêra, goiaba
caindo no chão,
chão de poemas
perdidos e achados
pela mão que me pega
pelos olhos e me encherga
de longe, lá longe, onde estou
perto dos pomares das alegrias
e dos altares das deliciosidades
que a alma esperimenta da vida
e se faz fruta que o coração morde
e se deleita a lamber os olhos ricos
da boa visão que o amor nos dar.


( Hudo Guedes )
O PORQUÊ DA SAUDADE


A saudade é uma dança
onde danço com você
músicas da esperança
de daqui a pouco receber
notícias tuas como herança
de uma espera sem ceder
nenhum espaço ao esmorecer
porque sei que sou uma criança
que deixa o mundo assim viver
da maneira mais feliz de se ter
tu aqui pr'eu fazer aquela festança.



( Hudo Guedes )
CASCATAS DE SENTIMENTOS BONS


...te espero em meu leito!
sensação de medo, tremor
na língua do corpo que faz
minha boca gemer, e prendo
a respiração; ofego a mão de
cada sílaba de tudo que tenho
pra te dizer e captar! orvalho os dedos
que já não sabem escrever algo porque
desaprendi pela ofuscância desse
quarto semi-escuro que parece
te esperar mais do que a minha espera
nessas sensações de tu chegares,
vinda da lua úmida do banheiro
num banho das espumas remediáveis
do meu grande desejo de explorar
toda essa situação de nossa luxúria.
Ai, tu chegas, quase adonzelada e
deixa a toalha trêmula entornar-se
sobre a colcha de cetim que me guarda
pra ti, assim cheia dessas eternidades
que encantam os sentimentos bons da vida.



( Hudo Guedes )

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

[i]
MANHÃS


O pensamento viaja!
neste momento penso
em te dá carinho...
vontade de fazer uma
poesia simples e direta!
te oferecer... e ir ao teu
encontro, mesmo sabendo
que talvez seja difícil te ver
vindo ao meu encontro;
mas faço esta poesia!
contenho-me dela em versos
puramente solitários e cheios
de amor, e lhe dou esta manhã,
mais uma manhã de versos livres
com um amor vivo dentro de mim
capaz de te ofertar a alma e o corpo
como prova única de nunca mais te
esquecer nesta manhã que virá mais
uma vez amanhã, e eu aqui a te esperar,
cheio de amor e desejo, escrevendo versos
com as mãos da dor de não ter-te aqui comigo.


http://2.bp.blogspot.com/_enEsMyt3Xlo/S7-z7HxEFpI/AAAAAAAAAA0/QIQFB1xPYVs/s1600/Mi_Amor_by_SunDropsTonight.jpg

...me caso
com a poesia
que vai te buscar!
assim duas lindas
mulheres na minha vida,
me dando amor, carinho,
compreensão e sabedoria.
Eternas mãos de alegrias
escrevendo minha vida
dentro das linhas enlaçadas
do meu coração no teu coração.



Hudo Guedes
MANHÃS


O pensamento viaja!
neste momento penso
em te dá carinho...
vontade de fazer uma
poesia simples e direta!
te oferecer... e ir ao teu
encontro, mesmo sabendo
que talvez seja difícil te ver
vindo ao meu encontro;
mas faço esta poesia!
contenho-me dela em versos
puramente solitários e cheios
de amor, e lhe dou esta manhã,
mais uma manhã de versos livres
com um amor vivo dentro de mim
capaz de te ofertar a alma e o corpo
como prova única de nunca mais te
esquecer nesta manhã que virá mais
uma vez amanhã, e eu aqui a te esperar,
cheio de amor e desejo, escrevendo versos
com as mãos da dor de não ter-te aqui comigo.



Hudo Guedes

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

MAR DO AMOR

Viajo muito por
esse mar, sou
propriamente
ele, esse mar
de ondas ora
calmas ora
turbilhentas.
Não naufrago
quando amo
de verdade!
só morro afogado
quando me acabo
de amor por não
ser amado ou por
ser amado demais!
são ondas vivas
que ondulam-se
dentro de mim.
ondas de afeto
que busca afeto;
ondas de sexo
que busca carinho;
ondas fortes de
amor humano que
traz pra terra um
grande amor humano.
Ondas leves onde
surfam músicas líricas,
rock' rool com rimas
loucas, outros sons,
outros toques fortes
que tranquilizam minhas
fontes sonoras de prazer.
Mas é o meu mar de dentro
que surge neste mar de fora.
Um grande e extenso oceano
de amores que nunca me vêm
mas sempre estão mergulhados
entranhamente dentro desse
grande e carinhoso mar de mim.
Mar do amor que jamais secará
diante de teus veleiros tentando
viajarem sobre o mar do meu coração,
e às vezes não sabendo velejarem, mas
meu mar sempre ajudando-os a saberem
amar o grande mar aberto de mim.

HUDO GUEDES
FILOSOFIARTESTRUTURA


A mente humana
faz um debate
com a mente humana.
Não há entrevistadores!
de um lado uma mente
insana, do outro uma mente
bem doutrinada, aliás, correta.
Primeira pergunta da insana:
como tu és e de onde viestes?
responde com firmeza a mente:
vim das insanidades; sou agora
aquela prudência que as sabedorias
insistiram em adotar no núcleo mental
de cada ser que respira vida neste mundo.
Muito bem! jóia na peróla de cada palavra.
E quem sou? pergunta a mente insana!
responde a mente correta: és um aviso do
futuro enviado por cartas que o passado
deixou escrito e guardado no bolso da camisa
de cetim de um pássaro grego que deixou de voar
até à mim outras cartas que ainda não pude
decifrar de ti e não pude me conter de lágrimas
e chorei até dizer-te que és uma revelação da
própria humanidade disposta a te revelar ao mundo
como forma de deixar na mente de cada uma loucura
pra se ter felicidade.
HUDO GUEDES
FILOSOFIARTESTRUTURA

A mente humana
faz um debate
com a mente humana.
Não há entrevistadores!
de um lado uma mente
insana, do outro uma mente
bem doutrinada, aliás, correta.
Primeira pergunta da insana:
como tu és e de onde viestes?
responde com firmeza a mente:
vim das insanidades; sou agora
aquela prudência que as sabedorias
insistiram em adotar no núcleo mental
de cada ser que respira vida neste mundo.
Muito bem! jóia na peróla de cada palavra.
E quem sou? pergunta a mente insana!
responde a mente correta: és um aviso do
futuro enviado por cartas que o passado
deixou escrito e guardado no bolso da camisa
de cetim de um pássaro grego que deixou de voar
até à mim outras cartas que ainda não pude
decifrar de ti e não pude me conter de lágrimas
e chorei até dizer-te que és uma revelação da
própria humanidade disposta a te revelar ao mundo
como forma de deixar na mente de cada uma loucura
pra se ter felicidade.
HUDO GUEDES

http://1.bp.blogspot.com/_sjX51bjYiMA/Ss87stOFSXI/AAAAAAAAIYM/CWWWL0cmFH4/s400/O+NASCIMENTO+DA+FILOSOFIA.jpg

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

UM PORTO SEGURO


Teu olhar,
um porto seguro
pros meus olhos!

Teu coração,
um porto seguro
pras batidas do meu!

Tua boca,
outro porto seguro,
mesmo que eu venha
a beijar a mim mesmo
nesta boca solitária!

Tua mente,
mais um porto seguro
para eu poder ficar
frente a frente com o
mar das capacidades
de seguir à diante,
sem medo nenhum
de ver que estou consciente
de que sou um cidadão,
que por mais apaixonado
pelas decisões as hesitações
não me deixam o coração de lado
e se apaixonam por mim minutamente,
mas eu sou o amor das decisões, sou!
e quero ser, por mais que eu me envaideça
por essa paixões incontroláveis que as hesitações
têm por mim, que sou um porto seguro delas, sou!

E então, minha vida segue
e tua busca é minha vida,
portos que atracam poesias
e desembarcam poesias como
cargas explosivas de amor
e muitas loucuras sensuais.


Hudo Guedes

sábado, 31 de julho de 2010

UM TAL DE CHICO

Ao amigo poeta
Chico Miranda


Surgiu na cidade
da capital cearense
um tal poeta terezinense
que se formou nas ideologias
literárias do universitarismo!
surgiu como pétala depois
se formou rosa num canteiro
de uma universidade de menino
que brinca de estudar e acaba
se formando em alguma coisa
que os próprios estudos ficam
estupefatos com a grande razão
desse viver: sua boa e grande
poesia sábia do nordeste singelo
das auroras fortalezenses que se
tornaram tardes e noites de muitos
estudos sobre o ser humano e suas
táticas saltibânquicas de fazer o mundo
sorrir não teatralizando mas instruindo
o povo a uma rica cultura do universo
espalhada no interior achável do seu
coração que é um grande professor
e um eterno aluno de sí próprio.


Hudo Guedes
DOS SUÓRES DO AMOR


Chego calmo!
te olho mudo!
sou o Hudo,
poeta quadrante
e um zig-zag
no amplo desejo
da consumação
corporal dessa
amplitude desambígua
de te procurar, e fazer
de ti uma selva de papoulas
e me deitar de embriagueses
sobre teu corpo já em ardência
múltipla de consumir todos os
meus vulcões lubrificados pelos
vai e vem dos ângulos penianos
do sol nos ângulos sem pecados
da lua aberta totalmente pra noite
em que invado-me em ti e edifico
vidas poéticas nas deltas e lunáticas
formas variadas tuas de me amar
neste leito em que descobri ser feliz.


Hudo Guedes

OVULAR AMOR


Ovula uma estrela
no céu dessa manhã
guardada pela lua
dentro do ventre
da madrugada
que esperou do sol
os últimos orgasmos
para deixar aos poetas
românticos da noite
as cadentes expressões
estelares de um coração
cheio de amor e mais do
que apaixonado, e mais
do que qualquer outra
trombeta arco-irizada
cantando seus versos
entoadamente aos
quatro cantos sonoros
deste universo inteiro
de mim e de ti, dentro
de uma órbita orquestrada
por pássaros que andam
sobre o mar da volúpia
uníssona de meus dedos
nos teus dedos envoltos
aos meus sonhos de carregar
sobre meus dorsos cardíacos
todos os teus bilhetes de amor.
Ainda te amo como marcha de
soldados ruivantes a procura
de todos os silêncios pra guardarem
suas armas luminosas entre os seios
da paz e os abutres calmos do
novo mundo tanto pro nosso amor
quanto pro amor que os séculos
têm pela dinastia bela das estações.
Eu te amo ainda por tudo isso e algo
mais que ainda irá nos completar
dentro desse amado anfíbio que nos
leva e que tem o nome de vida.
Hudo

http://images.orkut.com/orkut/albums/ATcAAAAjZmkzYdoDn3waDCIEvSqYDFFUCaGFqUbyVHVx9Ij4QQGcd1wmuvbq7pxScBTvIGmXdCppbSBFN15kctvVw_2xAJtU9VClvOkYRopxy60AyNF4HPC-si3L_w.jpg



A melhor das palavras
numa poesia de frente
que venere a prosa
como instrumento da
irrevogável maneira
de fazer poemas lúbricos
de tanta beleza natural
das súbitas inspirações
que vêm aos poetas
como mamilos de olfatos
femininos que edificam
nos cheiros eternos da
mulher a doce doçura
caprichada da lambida
múltipla em sua libido
que circula o corpo todo
daquele ser chamado amor.


Hudo Guedes

sexta-feira, 30 de julho de 2010



DOS SUÓRES DO AMOR


Chego calmo!
te olho mudo!
sou o Hudo,
poeta quadrante
e um zig-zag
no amplo desejo
da consumação
corporal dessa
amplitude desambígua
de te procurar, e fazer
de ti uma selva de ampolas
e me deitar de embriagueses
sobre teu corpo já em ardência
múltipla de consumir todos os
meus vulcões lubrificados pelos
vai e vem dos ângulos penianos
do sol nos ângulos sem pecados
da lua aberta totalmente pra noite
em que invado-me em ti e edifico
vidas poéticas nas deltas e lunáticas
formas variadas tuas de me amar
neste leito em que descobri ser feliz.


Hudo Guedes

quinta-feira, 29 de julho de 2010

NO MUNDO TODO


Pode tá havendo guerra,
mas no mundo todo
ainda existe um toldo
que protege a terra
dessa chuva triste
da violência que erra
que acerta, que insiste
em dominar a terra
que quer morar
numa grande serra
para assim amar
um povo que encerra
uma história de paz
nas ilusões da terra
porque na vida jamais!

Porque na vida se anseia
um objetivo muito popular
que corre do pulso pra veia
indo pro coração se amordaçar
feito a costura da boca na ceia
que é este amor a se entregar
no amor humano deste manjar
dado pela paz na hora da "peia"
tomada pelo o homem que semeia
a justiça de Deus no seu sonhar
por temer tal coisa a se desenhar
no céu desse dia a dia que campeia
novas formas de como saber amar
este mundo que não pode se acabar
assim daqui a uma hora e meia.


E o mundo todo
vive essa vontade
de fazer canções
de paz no mundo
todo das canções
mentais de fazer
canções pro mundo
todo dos corações
cheios de amor e paz
de fazer canções
pro mundo todo
não se acabar jamais!


Hudo Guedes

quarta-feira, 28 de julho de 2010

VERSOS

Manhã se vai!
visto meu olhar
da noturnidade
desse meio-dia,
mesmo com o olhar
do sol sobre mim.
Escrevo sobre mim
páginas vermelhas
das lágrimas que eu
não me dispus a chorar
porque segurei com as
mãos leves da alegria e
desse amor que sempre
está a lembrar-me com
seu coração esquecido
as ditas lágrimas que chorei.
Derramo ar puro sobre a seiva
das vontades de verter
manhãs sobre lentes turvas
que desaparecem quando
avisto no arrebol de minhas serras
desamparadas outras manhãs a
te esperar aqui feito a última nuvem
que derramará do céu chuvas de vértebras
de milhões de orquídeas que nunca lamentaram
tua perda porque deixaram em mim um cheiro
de vida pura e dedicada a um amor belo que se
foi pelas eternidades oculares dos sentimentos
que só vêem e deixam de sentir porque no amor
a gente esquece que a gente existe e passa a
viver só aquele corpo, aquele sonho, aquela
alma e morre-se de amor.

Hudo

terça-feira, 27 de julho de 2010

A ESCOLHA


Minha pureza é triste!
minha impureza é alegre!
fica com qual das duas?
já sei...
entre a pureza e a impureza
existe um homem sólido pelas
coisas do amor contínuo e das
ternuras vastas da paz...
eis que não vai escolher nem
uma coisa e nem outra, vai escolher
a grandeza humana desse homem.



Hudo Guedes

sexta-feira, 23 de julho de 2010

CAPÍTULOS PERDIDOS,
CAPÍTULOS ACHADOS


Com um amor outrora
tive solidão, tive falta
de alguma modo de
ser feliz sexualmente,
apaixonadamente e tudo
e outras coisas mais, mas
contigo tá sendo o contrário,
tou amando e sendo amado
pela tua coragem de buscar
em mim coisas que jamais eu
acreditaria em poder possuir:
tua carne, teu espírito, teu
coração, teus ânimos, tuas
moradas de pássaros que
sonham voando sobre o telhado
das casas reais das felicidades
de saber voar e ser feliz assim
amando, sendo amado e corrigindo
erros do passado onde não consegui
me fazer feliz e nem tão pouco recebi
a felicidade necessária que eu tinha
que receber do amor passado que
não tive ao ter uma pessoa indisposta
a amar de verdade e ser amada de verdade.
Agora tudo é diferente! tá de acordo com o que
meu coração pedi à vida, você e o seu lindo amor.



Hudo Guedes

quinta-feira, 22 de julho de 2010

POETAS

Na poesia
somos poetas
somos pessoas
somos somas
somos ãngulos
somos sumos
somos sílabas
somos sonhos
sonhos somos
somas somos
pessoas somos
poesias fazemos.



Hudo Guedes

domingo, 18 de julho de 2010

TRECHOS DO ACORDO
COM A SOLIDÃO


...sabe minha solidão,
amo-te, e sei que tu
não me fazes mal nenhum.
Tu és assim como os pássaros,
sôltos e arejados pelos ventos
que limpam algumas lágrimas
que aqui nos olhos possam cair;
és uma pura paixão que me move
a vontade grande de ser livre
e está alçado em võos hiantes, líricos
espaçonávicos nesta dimensão
que me fragmenta a alma pro
corpo acolher e soltar pelo mundo
inteiro tuas formas inofensivas como
sementes de fazer poesia num canto
perdido, mas achado por mim, que sou
teu eterno amante procurado sempre
pelas coisas boas do amor pra dar...

não sofro contigo, junto à ti até sorrio,
porque sei sorrir mesmo tu me dominando
pra eu não saber chorar...e vou assim te
levando em mim e aprendendo contigo
muito mais em querer te amar amando
à mim e à todos...

A solidão pra mim é isso, paixão, jamais
um sofrimento mórbido que sacrifica, que
amordaça, que faz sofrer e matar...ela me
faz se inspirar de coisas sobre a paz, a ternura,
o encanto das musas, a palavra na hora certa
e inesperadamente; a solidão é uma grandeza
que cabe em mim com as sobras necessárias
dessa beleza gigantesca do amor e da poesia.

...Não há de maneira alguma acordo aqui com
minha solidão, somos livres para amarmo-nos,
eis que se tornam deliciosos e irremediáveis o carinho
e o amor que a gente trata um com o outro...

A solidão não faz mal nenhum a ninguém, basta
tratá-la com afeto e gratidão pelo fato dela poder
existir em nós como única forma da gente saber
que sempre pode ser através dela que possamos
refletir bem a vida e conversar horas e horas com
Deus...


Hudo Guedes
...sabe minha solidão,
amo-te, e sei que tu
não me fazes mal nenhum.
Tu és assim como os pássaros,
sôltos e arejados pelos ventos
que limpam algumas lágrimas
que aqui nos olhos possam cair;
és uma pura paixão que me move
a vontade grande de ser livre
e está alçado em võos hiantes, líricos
espaçonávicos nesta dimensão
que me fragmenta a alma pro
corpo acolher e soltar pelo mundo
inteiro tuas formas inofensivas como
sementes de fazer poesia num canto
perdido, mas achado por mim, que sou
teu eterno amante procurado sempre
pelas coisas boas do amor pra dar...

não sofro contigo, junto à ti até sorrio,
porque sei sorrir mesmo tu me dominando
pra eu não saber chorar...e vou assim te
levando em mim e aprendendo contigo
muito mais em querer te amar amando
à mim e à todos...

A solidão pra mim é isso, paixão, jamais
um sofrimento mórbido que sacrifica, que
amordaça, que faz sofrer e matar...ela me
faz se inspirar de coisas sobre a paz, a ternura,
o encanto das musas, a palavra na hora certa
e inesperadamente; a solidão é uma grandeza
que cabe em mim com as sobras necessárias
dessa beleza gigantesca do amor e da poesia.

...Não há de maneira alguma acordo aqui com
minha solidão, somos livres para amarmo-nos,
eis que se tornam deliciosos e irremediáveis o carinho
e o amor que a gente trata um com o outro...

A solidão não faz mal nenhum a ninguém, basta
tratá-la com afeto e gratidão pelo fato dela poder
existir em nós como única forma da gente saber
que sempre pode ser através dela que possamos
refletir bem a vida e conversar horas e horas com
Deus...


Hudo Guedes

sábado, 17 de julho de 2010

POESIA MENINA


...poesia menina
que se tornou
mulher ao conhecer
teu poema menino
que se tornou passarinho
ao me determinar um primeiro
võo sobre as árvores floridas
de tua praia esverdeamente
azulada em mim, que sou poeta
que mora num passarinho menino
que nunca se torna gente grande
porque gente grande não sabe o
que é ser um passarinho guardado
por ti dentro do coração em liberdades...


Hudo Guedes.
ENTRANHÁVEL

Tiro agora minha roupa,
te vejo ainda com a veste
do teu primeiro olhar pra mim,
mas tira, fica igual ao meu olhar
agora, louco por ti!
quero te elevar!
meu tremor por mais
que seja um elevador
quero te elevar agora!
soltar o zípper dessa
pequena distância
de tua entranha para
a minha visceral ânsia
de te possuir nesse
átimo de profunda
sensação de magnitude
corporal dentro do mais
amplo sentido de amor
e paz entre medo e vontade
caminhando calmos e em céleres
desesperos de procura e chegada
do grande bem na terra, nosso amor.


Hudo Guedes.

PALAVRAS DE UM LOUCO
AMOR EM SOLIDÃO


Apenas preciso dizer isto
e escrever depois que a
noite chegar com suas luvas
de ferro a querer acariciar
meus olhos que choram
estas palavras ditas agora
e escritas depois pelo meu
vertiginoso coração só:
" eu quero somente o que
todo homem apaixonado
deseja de uma mulher que
é sua ou ainda pode ser
sua ou ainda jamais será
sua; e o que meu coração
ampliadamente nú de mim
agora anseia de ti é o simples
amor em total sedução da
completa atenção do teu
olhar que busco nesse teu
coração tão difícil de pegar!
mas eu o quero de todas as
maneiras que eu puder agarrá-lo,
até de todas as maneiras que eu
não mais puder viver esse grande
amor em solidão e buscas que tento
te prender em meu peito que te beija
agora nesse silêncio de não te possuir,
mas possuir um grande sentido em minha
louca solitária vida, você! eu te amo!"



( Hudo Guedes )

sábado, 26 de junho de 2010

[i]

GALÁTICOS POETAS COLUNISTAS

Historinha que circulou
ontem nas colunas sociais
dos grandes jornais das
galáxias:
" sol leva um baita de um
fora da lua!...optando ela,
assim, pelo amor do reino
das estrelas..."
Que bombástica e meteora
notícia esta hém!!...
bom para os poetas que
agora terão mais histórias
pra contar, sejam tristes ou
alegres, terão doces histórias
pra contar pro mundo.


( Hudo Guedes )
ÓVULOS DO AMOR
NO VENTRE DA VIDA


No amor convidamos
as ternuras pra se
fazerem presença
diante das atitudes
do corpo perante a
nobresa da alma
no maior e melhor
envolvimento dos
sentidos onde não
se pode se negar
o conjunto orbital
dos desejos de ir
à diante em busca
de nós, como se a
idéia única do amor
fosse abrir seu ventre
de mãe e nos pôr lá
como infinito óvulo
guardado só pra ele,
pra depois dos milhões
de anos luz fazer-se
explosão na atmosfera
dos sonhos e das realidades
e daí surgirem novas criaturas
divinas que Deus assim quis
fazer numa noite de intenso amor.


( Hudo Guedes )

quinta-feira, 17 de junho de 2010

LÚCIA POETISA

à musa e poetisa paulistana
Lúcia Biazetto


L...indo caminho esse teu,
Ù...nico e múltipla soma
C...apaz nesse poema meu
I...nstigar palavra que doma
A...poesia que nos bebeu.

B...ebida de anjos osasquianos
I...nsólitos e meigos sopranos,
A...lternando melodias celestiais,
Z...éfiros cânticos dos imortais
E...spalhados por todos esses anos
T...razendo flores aos tiranos
T...ombados pelo patrimônio da paz
O..nde a musa são belos planos.
O SOM DAS COISAS DO AMOR


O som dos sonhos
ecoa e canta alto
em mim.
Sons belos e sonoros,
os sons todos dessa
realidade que me
explora que és tu,
bela mulher que me
acorda quando escuto
os sons desses sonhos
de possuir alguma coisa
que pertença à tua alma
e ao teu corpo que tanto
e tanto preciso agora.
Os sons das coisas que
estão dentro de tudo isso
que és em mim, calma e célere,
um som multiplicadamente
nutrido nas células híbridas
da minha doce mente louca
que devora a minha realidade
com os dentes sonoros e afiados
dos sons das coisas que estão
dentro dos meus sonhos fazendo
aquele barulho no meu silêncio
que grita o teu nome lá fora e
aqui dentro de mim que sou assim
procurando sempre por teu amor
que não sabe dessa existência
de minha voraz loucura de estar
deitado olhando pro céu que traz
um azul diferente daquele que pintei
de vermelho os caminhos do meu coração
que chora por ti e sonha com os sons todos
de teu corpo que canta pra mim tua alma
neste sonho de possuir assim tua vida
em minha vida e assim sermos felizes
num amor que só os sons das coisas
do amor ecoam pro mundo ouvir e sentir
que é muito bom amar e ser amado suave
e loucamente como as melodias dessas
coisas boas do amor compartilhado a dois.




( Hudo Guedes )

PEQUENA HISTÓRIA DO SIM


Nasci poeta
sou viajante
e minha meta
é ser um amante
das artes de amar
e ser amado antes
que venha o mar
e carregue o teu colar
de brilhantes
que tenho guardado
por eu ser amado
em teu coração de gigantes
como Deus e os anjos infantes
do teu sim no meu sim poetizado.

NÃO HÁ

Não há melhor poesia
do que o amor pela lua,
não há melhor melodia
do que a mente que flutua,
não há melhor fantasia
do que te ver toda nua,
não há melhor sintonia
do que esta lembrança tua.

( Hudo Guedes )

A CAPITAL CEARENSE
JÁ PARECE CONTIGO


Que grandeza
a beleza
de Fortaleza
na certeza
da firmeza
dessa luz!
que surpresa
a presa
de Fortaleza
que me seduz
nesse agarro
sem o carro,
você me conduz,
e eu à pé
vou pelas ruas
ao lado da mulher
e das rosas suas
tiradas da natureza
onde tu flutuas
a tempo da luz acesa
dessa linda Fortaleza
acender outras cidades nuas
que o mundo há de conhecer
nas viagens poéticas das luas
urbanizadas pelo mar a merecer
nossos sonhos de ainda te ver
como a mais bela capital que cultuas
pois teu amor próprio nos faz viver
manhãs, tardes e noites esse querer
de morar pra sempre no teu coração.




( Hudo Guedes )
ESSA É A HISTÓRIA QUE
TENHO PRA VOS CONTAR


Os gritos do meu doce silêncio
em apêlos humanos às atenções carinhosas
ecoam livres e firmemente
nas paredes multicoloridas
das casas escancaradas e humildes
do amor e da paz.

( Hudo Guedes )


O SONHO QUE O AMOR SONHA



Meu pensamento viaja
em busca de um sonho; quero conhecer
a terra em passarinhadas, mostrar o meu amor
pela terra, quem sabe conhecer as estrelas,
quem sabe ler as poesias que o sol escreve
todos os dias pra sua amada lua que tanto
nos inspira todos os dias, e saber que no cósmico
da alma ressoa um vialêjo tocado pela boca
dos meus sonos anunciando meus sonhos..!
e pensar que posso morar na microscopia
dos átomos que habitam no sôpro desses
ares oníricos a minha melíflua vontade
de te beijar, te acariciar o rosto perdido,
que em busca do meu viu uma chama
incendiando uma respiração ofegante
que veio acalentar um corpo solitário
que pede o amor desesperadamente
da alma que sabe cultivar o amor
que tanto sonho de ti.



Hudo Guedes.

O BARCO N. 2



Atravessam-se no mares
as serpentes das correntes
dos ventos de todos os lugares.

Atravessam-se nos altares
as dormentes dos querentes
meditando Deus e vos pedindo os olhares.

Atravessam-se nas filosofias
o imperialismo do pensamento
de que é feita a bússola dos dias.

Atravessam-se nas poesias
o algarismo do alumbramento
e a beleza teórica das fantasias.



( Hudo Guedes )
OLHOS DO QUERER

Minhas mãos acariciam
o rosto da saudade de você,
e pegam pétalas
das lágrimas doces desse querer,
e jogam ao vento
porque meu pensamento
é só te ver.

Meus passos caminham
em busca do destino
dessa paixão,
querendo o mar, a terra
o céu, a ave e o corpo
da sedução
de tentar a conquista
que tenho à vista
do teu coração.

Meus olhos do querer miram o tempo todo
o amor que há em mim
pra você.

Quero dizer ao mundo
a importância desse amor
falar pra você o que sou:
luz brotada do encanto profundo.

Falar da melodia que escuto
quando reflito desse desejo
toda a emoção do beijo
que ainda não te dei nesse culto
de total adoração por você
na virgindade do olhar
que descobre o amor pra amar
sendo amado também por teu querer
invadindo minha vida calma
onde necessito da lânguida loucura
de respirar o oxigênio dessa alma
que me chama de amor na hora da procura.



( Hudo Guedes )
POEMAS EM CARTAS DE AMOR


Já fiz cartas de amor
e as mandei pra amada
dizendo o que sou
com a palavra multiplicada
em poema de dor
mas em poesia cantada
pelo aroma da flor
dessa alegria inspirada
pelo coração que voou
em busca da amada
que nunca mais me deixou.


( Hudo Guedes )
O BEIJO ARDENTE DO SOL



Mas que calor que faz!
a atmosfera dos raios
ultra-violetas em desmaios
da própria terra incapaz
de conter a força audaz
desse sol trazido em balaios
pelos ventos sem paz
de mostrar num cartaz
que as chuvas dos maios
estão vindo através dos canais
que ligam lua, estrela e sinais
de que o sol quer que seus raios
acabem já com esse calor que faz!




( Hudo Guedes )
RESPIRAÇÃO



Sou assim
porque não abandono você
nem pelo triz da sorte
trilhomilionarizada do barco
do vagar devagar pelo mar
transcendental de todos os desejos
descobertos pela gente
como tesouros enterrados nas areias
dos nossos olhos que se encontram
em dois e em dois meses comoções e
emoções propósitos e relações
depósitos de corações e átomos e
átimos e atos e quadros de Picasso
colados à nudez do grande querer
que existe em mim pra você e
como eu acho bonito e maravilhoso
amar a capacidade de ter a certeza
de que você me ama intensa e propensa
e imensa como a minha vontade de acabar
a sua respiração ao lhe beijar pelos
cinco segundos que me restam de olhar
pra você e dizer-lhe olho a olho:
EU TE AMO.



( Hudo Guedes )